Na tarde desta terça feira, (26), o trabalhador Francisco Laércio Sirino filho, de 41 anos, após carregar uma barra de ferro, decidiu parar suas atividades. Francisco reclamou para os colegas de trabalho que estaria passando mal.

Mesmo informando ao gerente da obra sobre sua condição, Francisco continuou no canteiro de obras, situado na Avenida Rogaciano Leite, próximo à Câmara dos vereadores de Fortaleza. Dessa forma, nenhuma atitude por parte da direção da construtora foi tomada para socorrer Francisco. Os trabalhadores pararam suas atividades e exigiram a presença de socorro médico.

 

Segundo o relato do diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil da Região metropolitana de Fortaleza (STICCRMF), Laércio Cleiton, o trabalhador ficou mais de duas horas debaixo de uma laje.

“Quando decidiram chamar uma ambulância, já era tarde”, completou Laércio. O trabalhador foi levado por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas já chegou ao hospital morto. Um acidente vascular cerebral, também conhecido como AVC, foi a causa da morte do operário.

O servente de pedreiro, Francisco Laércio Sirino filho, era pai de cinco filhos e morava no bairro Parque Santana.

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil da Região metropolitana de Fortaleza (STICCRMF), através de uma comissão de três dirigentes esteve no velório e orientou a família sobre os direitos do trabalhador.

A direção do sindicato, também alerta para a relação desumana dos canteiros de obras, onde a produção torna-se mais importante que uma vida e lamenta profundamente a perda do companheiro colocando-se a disposição dos familiares e companheiros de trabalho.